PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU – NOTA TÉCNICA 05/2022 – COVID/INFLUENZA/COVEPI/DVAS/SMS

image_pdfimage_print

NOTA TÉCNICA Nº 05/2022 – COVID/INFLUENZA/COVEPI/DVAS/SMS 

Diante do atual cenário epidemiológico do país e com a chegada do outono, em março, inicia-se a sazonalidade das doenças respiratórias, afetando principalmente crianças , com maior gravidade em menores de um ano de idade. O pico de incidência vai até julho, englobando o inverno, período em que aumenta a circulação de vírus, resultando em maior número de gripe, resfriado comum, bronquiolite e rinite, aliada a circulação do vírus Sars Cov-2.

A Organização Mundial da Saúde – OMS estabelece que o parametro de uma boa cobertura vacinal para Covid é o indice de 90% de cobertura vacinal com duas doses na população vacinável para a mitigação da circulação, controle, redução dos casos graves e óbitos pelo SARS – CoV – 2. Aracaju, até o dia 10 de abril de 2022, estava com 82,28% de cobertura vacinal com a dose 2.

Quando avaliamos a cobertura em crianças e adolescentes de 5 a 17 anos, Aracaju apresentou uma baixa cobertura vacinal até o dia 10 de abril de 2022.

A vacinação contra Covid como uma das principais formas de controle da doença é capaz de evitar casos graves e óbitos, deve ser incentivada para toda a comunidade escolar.

Considerando que a análise da transmissibilidade e o surgimento de novas variantes são condições para a adoção de novas medidas restritivas, as orientações sobre os protocolos nas escolas devem ser continuadamente revistas e atualizadas.

Tendo em vista que o vírus da COVID-19 ainda está em cicurlação, apesar dos dados epidemiológicos apresentarem diminuição no índice de novos casos confirmados, do número de óbitos e da taxa de ocupação de leitos há mais de 5 semanas epidemiológicas em Aracaju. Concluimos que a redução da transmissibilidade do Covid-19 vem propiciando algumas medidas de flexibilização, porém reforçamos a recomendação da manutenção de medidas sanitárias a saber:

1 Medidas sanitárias:

  • Desenvolver ações de divulgação das medidas preventivas nas escolas;
  • Promover atividades educativas sobre higiene de mãos e etiqueta respiratória (conjunto de medidas comportamentais que devem ser tomadas ao tossir ou espirrar) e uso obrigatório da máscara nos espaços comuns;
  • Estimular a higienização das mãos com água e sabonete líquido e/ou preparações alcoólicas, provendo, conforme as possibilidades, lavatório/pia com dispensador de sabonete líquido, suporte com papel toalha, lixeira com tampa com acionamento por pedal e dispensadores com preparações alcoólicas para as mãos (álcool gel), em pontos de maior circulação, tais como: recepção, corredores de acessos à sala de aulas e refeitório;
  • Evitar o uso e reuso de lenços/toalhas de pano;
  • Estimular o uso de lenços de papel, bem como seu descarte adequado;
  • Orientar para que cada estudante traga e utilize sua própria garrafa de água.
  • Realizar rotinas de revezamento dos horários de recreação, alimentação e demais deslocamentos coletivos dos estudantes no ambiente escolar;
  • Intensificação da rotina de limpeza dos filtros de ar-condicionado de todos os setores da escola, principalmente das salas onde haja a impossibilidade de abertura das janelas para circulação de ar Essa prática deve ser semanal em ambientes onde a ocupação e a circulação de pessoas é alta, e quinzenal onde a circulação de pessoas é restrita;
  • Sempre que possível, retirar ou evitar o uso de tapetes e carpetes, facilitando o processo de higienização. Não sendo possível a retirada, reforçar a limpeza e higienização dos mesmos;
  • Manutenção das janelas das salas abertas para a circulação do ar natural. Se a utilização do ar-condicionado se fizer necessária, evitar a recirculação de ar, instalar e manter filtros e dutos limpos, além de realizar a manutenção e limpezas semanais do sistema de ar condicionado.
  • Recomendação do uso de máscara por todas as pessoas a partir de 03 anos de idade na sala de aula: alunos, professores, assistentes. Esta deve ser trocada no máximo a cada três horas, se máscara de tecido, e no máximo quatro horas, se máscara descartável, ou para quando apresentar umidade e/ou
  • Os cuidadores/assistentes e professores dos alunos, que por quaisquer motivos não conseguem usar a máscara, devem reforçar a recomendação do uso de máscaras e da limpeza constante das mãos, do ambiente, e cuidado com os utensílios e objetos de uso dos alunos;
  • Higienizar as mãos com água e sabonete/sabão antes das refeições, após tossir, espirrar ou usar o banheiro. Quando não houver sujidade visível, pode- se usar as preparações alcoólicas (álcool gel, por exemplo);
  • Evitar tocar os olhos, nariz ou boca após tossir ou espirrar ou após contato com superfícies, evitando o contato físico com terceiros, tais como beijos, abraços e aperto de mão.
  • Não compartilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal, tais como fones de ouvido, celulares, canetas, copos, talheres e pratos, bem como para que realizem a higienização adequada dos mesmos após o uso para os objetos de uso em
  • Aplicar a etiqueta respiratória: proteger com lenços (preferencialmente descartáveis) a boca e nariz ao tossir ou espirrar para evitar disseminação de gotículas das secreções. Na impossibilidade de serem usados lenços, recomenda-se proteger a face junto à dobra do cotovelo ao tossir ou espirrar e higienizar as mãos na sequência;
  • Atentar à presença de febre e sintomas respiratórios (tosse, coriza, etc.). Se estiverem presentes, procurar um serviço de saúde e seguir recomendações de afastamento;
  • Estimular os pais para a realização da imunização completa contra Covid-19 com 2 doses de vacina;

Na ocorrência de qualquer mudança no cenário epidemiológico, que justifique a adoção de outras medidas de prevenção e controle dirigidas à comunidade escolar, haverá divulgação, em tempo hábil, através dos veículos oficiais de comunicação.

O conteúdo desta Nota Técnica, que orientam ações de controle e prevenção para todas as escolas tem como base os seguintes referenciais:

Referência:

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica: emergência de saúde pública de importância nacional pela doença pelo coronavírus 2019 – Covid-19 / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2022. 131.

Nota Técnica Nº2/2022 Retorno às Atividades Escolares Presenciais. Sobre o uso das máscaras no ambiente escolar em contexto da pandemia de COVID-19. FIOCRUZ/RJ, 11 mar. 2022.

11 de Abril de 2022.

Mariana Aragão Alves

Área Técnica COVID/Influenza

Taise Ferreira Cavalcante

Diretoria de Vigilância e Atenção à Saúde

Localização
Fale Conosco: